segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Círio de Nazaré, cultura, religião e celebração da estupidez humana.

Veja onde o ser humano é capaz de chegar na sua busca para preencher o seu vazio espiritual. Todos os anos vemos uma multidão de pessoas agarradas a uma corda que conduz uma imagem de Maria de Nazaré. Pessoas passam mal, sofrem, pagam penitência, tudo para chegar perto de uma imagem que tem olhos e não vê; tem ouvidos, mas não ouve; tem mãos, mas não pegam nada; tem pernas e precisa de quem a carregue. Cantam louvores a essa imagem, rogam para que ela interceda por eles, mas é surda, pois é feita de gesso, como pode ouvir? Vai de uma igreja a outra, de um estado a outro, mas não pode ir por conta própria, é uma imagem, uma estatueta sem vida, e sem vida espiritual, mortos espirituais, são todos os que a conduzem, que a louvam, que sangram seus pés para vê-la, para conduzi-la. Da mesma forma acontece com qualquer outra das facetas de Maria criadas pela tradição católica espúria à Palavra de Deus. Dizem que isso é devoção, demonstração de fé. Mas a Bíblia aponta que isso é crendice popular e pagã, também fala claramente que é um pecado terrível chamado idolatria. Idolatria é prestar qualquer tipo de culto a uma imagem que representa qualquer coisa, ou qualquer um que pisou ou pisa sobre a terra, ou nada sob as águas, ou voa nos céus. Por longos anos a Igreja Católica vangloriou-se de ser a primeira igreja a surgir após Jesus Cristo ter fundado o cristianismo e esse se espalhou pelo suor dos seus apóstolos. Mas e se hoje os apóstolos estivessem aqui, se pudéssemos ver ao Senhor Criador dos céus e da terra, Jesus Cristo, o que eles diriam sobre essa tradição da igreja Católica, e outras tradições católicas também que não tem qualquer fundamento na Palavra de Deus que é a Bíblia? Será que as suas palavras seriam diferentes das palavras que Eles disseram no passado? Se hoje a palavra de Jesus Cristo fosse diferente das que Ele disse no passado, Jesus Cristo não seria Deus, não seria digno de louvor, pois teria mudado de idéia. Quando se muda de idéia é por que se considerou errado e se Cristo errou Ele não é Deus. O testemunho que hoje a Igreja Católica dá de si mesma é que ela deixou de ser a igreja de Cristo para se tornar uma igreja que conduz milhões de pessoas ao inferno por incentivá-las à prática do pecado de idolatria. Em outras palavras, deixou de ser a igreja de Cristo para se tornar a sinagoga de Satanás. A mente das pessoas crédulas de que estão no caminho certo está tão cauterizada por causa deste pecado que mesmo elas lendo o texto bíblico sagrado em suas próprias Bíblias católicas não conseguem se convencer de seus erros. Pois crêem mais na igreja do que na Bíblia. Crêem mais no papa do que nas palavras inspiradas a Moisés, aos outros profetas, as próprias palavras de Jesus Cristo, ou dos apóstolos. Acreditam que o papa não erra, por que um deles a pouco mais de 100 anos disse que não errava, é o cúmulo da arrogância de um homem afirmar tal coisa, e um cúmulo da ignorância aqueles que lhe deram e lhe dão crédito. Mas cremos na misericórdia de Deus que pode, através do Espírito Santo falando através da Escritura Sagrada, convencer os homens de seus pecados e conduzi-los ao único mediador possível entre Deus e os homens, o próprio Deus que se encarnou para este fim, para ser mediador. Mas a igreja Católica colocou sua mãe carnal em seu lugar, mas se esquecem que sua mãe poderia ser qualquer uma. Maria foi escolhida não por que era menos pecadora do que as outras, mas por que ela mesma disse: “o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador,”(Lucas 1.47). A humilde jovem se confessou pecadora, pois declarou que Deus era seu Salvador, e não se precisa de um salvador quem não tem pecado. Foi escolhida por que sabia que era uma pecadora carente de um Salvador. Rev. Júlio Pinto Igreja Presbiteriana do Brasil em Baião

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A todos os leitores peço que deixem seus comentários. Todos os comentários estarão sendo analisados segundo um padrão moral e ético bíblicos e respondidos à medida que se fizer necessário.